Início    ACE    Biblioteca    Atas    Croquiteca    Links    Blogs    Fotos    Anúncios    Inscrição    Associados    Participantes
 Locais Detonados     Denuncie     Relate Acidente     Notícias     Fale Conosco     Área Restrita     Registrar Croqui 
"Eu vi coisas que vocês, humanos, não imaginariam... Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer." Roy Batty, andróide

  Via Chaminé Brasília
Pedra da Agulha - Pancas
Catalogada por ZéMárcio
Graduação:  5° 
Tamanho:  450m 
Data da conquista:  1959 
Conquistadores:  Carlos Russo
Giuseppe Pellegrini
Da escalada:  β da Via Chaminé Brasília
Pedra da Agulha, Pancas – ES
Por Sandro R. A. Souza, baseado na repetição de 16/Abril/2012 por Fabrício Amaral e Sandro Souza. Associação Capixaba de Escalada.

Rack:

Camalots de 0,75 ao 4; Big Brothers 3 e 4 mais nuts BD de 5 ao 12 e 9 fitas 120cm.
Levamos 12 costuras e uns 8 mosquetões de rosca livres. Poderia ser um pouco menos. Levamos duas cordas, uma de 70m e outra de 60m.

1º esticão:

Da base dá pra ver uma parada dupla. Isso dá mais ou menos uns 50m. No croqui, aparece uma parada dupla, onde um grampo é novo e outro velho sendo um em cada lado da fenda. O que estou chamando de P1 é mais pra cima apesar do croqui não mostrar isso.

2º esticão:

Marcado pelos 3 tufos de mato que entopem a chaminé. Cabe um Camalot 4 logo abaixo do 1º tufo. O segundo tufo é maior e chega a formar um teto de terra. Logo abaixo deste tufo tem um grampo original usável e bem camuflado pelo mato. No terceiro tufo que é maior ainda, a estória se repete. A parada seguinte é bem ampla. Existe um grampo novo e um velho entortado. No croqui isto fica na altura do grampo 9 (mas a contagem deveria ser 10) onde aparece o primeiro verdinho de mato.

3º esticão:

Começa com uma laca e depois segue por uma chaminé cansativa e bem exposta. O lance acaba em uma árvore onde está uma parada dupla. Este ponto é fácil de reconhecer no croqui, fica na altura do grampo 13 onde tem um Platô com arvores.

4º esticão:

Nuts na saída. Depois a tendência é emburacar montanha adentro. No caminho existe um platô grande com um grampo original, mas está meio fora da linha. Depois disso vem o trecho das “pedras emprensadas”. Boas pra passar fitas. O grampo que aparece no croqui acima das pedras imprensadas entortou apenas com o peso do corpo segundo relatos dos últimos escaladores. Fica em um platô que marca o início do crux. Um camalot 3 melhora a proteção. O lance começa em tesoura (meia abertura) e uns 3m acima já dá pra opor pés e costas. A parede dos pés é bem lisa, e a parede das costas é meio negativa e quebradiça. Não dá pra proteger nada até um bloco de pedra uns 12m acima. Parei nesse bloco entalado onde tem um grampo original bom. A corda era de 70m e foi usada quase toda a extensão.

5º esticão:

A saída ainda é em rocha meio escorregadia até chegar num platô 5m acima. A via segue entrando mais na montanha, por trecho meio escuro até um grande platô bipartido. O chão é forrado com restos de insetos. A via segue por dentro subindo por blocos. Logo depois tem o pior estreitamento da via. É bom tirar tudo da cintura antes.

Pelo adiantado da hora e falta de lugar melhor, descemos até o platô, onde bivacamos. Foi nossa P5. Por isso este esticão ficou com apenas uns 30m.

6º esticão:

Depois de repetir os blocos e o estreitamento a chaminé ficou uniforme por muitos metros. O lance é de dificuldade média, porém bem desprotegido na sua parte inicial. Do meio pra cima surge uma fenda boa pra nuts na parede da direita. Tem um grampo original no meio, e lá adiante a parada dupla também com grampos originais. A P6 é uma parada desconfortável por te deixar pendurado.

7º esticão:

A saída é trabalhosa. Depois de vencer este lance a chaminé fica mais confortável e o caminho é em direção ao teto e pra dentro. Tem um grampo novo e um velho ruim marcando o início da horizontal conhecida por “buraco do Salomith”. Neste ponto deixei o capacete e várias peças. A partir daí usamos só os dois Big Brothers, Camalot 0,75 e o 4 e fitas. A fenda é mais aberta na parte de cima. O big brother 3 ficou firme lá no alto e foi importante para direcionar a corda até o outro lado. O lance apertado é curto. O final desta horizontal dá até pra caminhar. Na falta de arvores e grampos, a ancoragem P7 foi no corpo mesmo. Da P7 dava pra ver o local de acampamento indicado no croqui.

8º esticão:

O lance em livre que antecede o artificial é por uma parede cheia de vegetação e musgo, com rocha quebradiça. O lance é exposto. O croqui indicava que os três grampos do artificial estavam podres e precisavam ser trocados. Somente o segundo, que era o pior deles, foi substituído. A fissura a seguir era mais cansativa e difícil que o imaginado e a corda atritava muito, por isso o último grampo da via foi usado como parada, a P8. Disparado a pior parada! Este esticão ficou com 35m. Existem algumas árvores de médio porte depois, se for possível vencer o atrito compensa seguir.

9º esticão:

Atenção pra que a corda não fique presa na fenda abaixo! A partir daí a graduação da via diminui. Foi usada uma arvorezinha como P9.

10º esticão:

Trepa-mato e costão até o cume. O CUME!!!!!!

O CUME:

No cume tem uma grande pilha de pedras pra marcar onde está o livro de cume. Ele está em um pote de plástico, de cabeça pra baixo. É um folder da secretaria de turismo de Pancas com mais umas poucas folhas brancas. O único relato que encontramos foi da galera que conquistou a via Bernardo Collares. Quem for repetir, seria uma boa levar uma urna (marmita) com um caderno mais adequado.

O Rapel:

1º: Do cume usamos uma arvorezinha razoável até a P9, que também era uma arvorezinha razoável. Usamos só a corda de 70m, mas com folga.

2º: Corda de 70m, mas com folga, até uma matinha mais fechada e uma árvore melhorzinha.

3º: Corda de 70m, mas com folga, até o grampo mais alto da via, número 26 no croqui, e que foi nossa P8.

4º: Corda de 70m, mas com folga, Do grampo 26 até o platô perto do “acampamento”. Passamos a corda pela base do grampo e não pelo olhal.

5º: Não é rapel. Trata-se de fazer a horizontal ao contrário.

6º: A partir daqui todos os rapéis são com as cordas unidas. Este sai de P6 e chega na P5 onde passamos a noite anterior. O grampo (novo) está perto da borda externa em boa posição.

7º: Sai de P5 e chega um tanto abaixo do platô que tem o grampo número 14 no croqui.

8º: Chega em P3 (platô das arvores)

9º: Chega em P2

10º: Chega abaixo da P1 onde o croqui mostra o grampo 6 ao lado de um novo.

11º: Chega ao Chão!
Fotos     Croqui     Veja quem escalou     Registre infos    


voltar pro início da página


voltar pro início da página


Eric (Eric Penedo)   Tel: 27/99464288 26/07/2016 17:14:01
   (Pretende escalar)


Gillan (Gillan Muniz Schirmer)   Tel: 27/98188007 26/10/2015
   (Pretende escalar)


Sandro (Sandro Rodrigo Aniceto de Souza)   Tel: 27/92270048 26/10/2015
   Finalizada
voltar pro início da página


Se for inscrito no site clique aqui para fazer Login


Registre mais informações sobre a via
*Nome: 
Email: 
Telefone:   
Data:
    *Relato:
 
voltar pro início da página



©2003-2020  José Márcio M Dorigueto   -  Melhor visualizado em 1024x768