Início    ACE    Biblioteca    Atas    Croquiteca    Links    Blogs    Fotos    Anúncios    Inscrição    Associados    Participantes
 Locais Detonados     Denuncie     Relate Acidente     Notícias     Fale Conosco     Área Restrita     Registrar Croqui 
"Se tudo der certo nada vai dar errado." Amaral

  Via Eu Não Matei Joana Darc
Pedra de Mulembá - Vitória
Catalogada por Zudi
Graduação:  4º IV A0 (7a) E2 D1 
Tamanho:  140m 
Nº de enfiadas: 
Material necessário:  1 corda de 60 metros;
5 costuras;
2 equalizações;
2 estribos. 
Data da conquista:  15/Mar/2014 
Conquistadores:  José Augusto Brunoro Costa  (Brunoro)  Tel.27/9801.1945
Thiago Karapeba  (Karapeba)  Tel.27/9234.3765
Xerxes Bueque Zampier  (Xerxes)  Tel.27/8143.0463
Zudivan Peterli  (Zudi)  Tel.27/9243.0159
Da escalada:  A PEDRA

A Pedra de Mulembá fica localizada dentro do Parque Municipal de Mulembá, situada no bairro de Joana DArc, cidade de Vitória/ES. O Parque é o lugar que as Paneleiras de Goiabeiras retiram o barro utilizado para a fabricação das famosas panelas de barro capixaba.

A face leste da Pedra de Mulembá é a mais conhecida do Capixaba, porque foi explorada pela antiga pedreira desativada chamada Rio Doce, somado ao fato de que a face leste pode ser avistada de diversos pontos de Vitória, por exemplo: Rodovia Serafim Derenze, Ponte da Passagem (lado direito – sentido centro) e do Campus Vitória da UFES.

O carro deve ficar no início da rua que da acesso as casas que ficam no pé da pedra. A caminhada até a base leva em torno de 5 minutos.

O Acesso para a mata é feito pelo quintal da casa do Sr.º Francisco e Sr.ª Maria, última casa da rua.


A CONQUISTA

A conquista se iniciou em 2013 por Brunoro e Zudivan, mas a via foi finalizada apenas na 2ª empreitada que foi na data de 15/03/2014 com a entrada de Karapeba e Xerxes na cordada.

As paradas são duplicadas com grampos e chapeletas com malha rápida.


A ESCALADA

As duas primeiras enfiadas ficam na sombra durante toda a manhã, enquanto as demais enfiadas recebem o sol depois da metade da manhã.

A primeira enfiada é toda em agarras e entre a terceira e quarta proteção tem uma fenda, não precisando de usar peças moveis (opcional), pois o lance é bem protegido e a fenda é curta.

A segunda enfiada sai em livre e depois ganha um lance em artificial de chapa sobre chapa (A0), podendo ser usado estribos ou, simplesmente, costurando e puxando-se pelas costuras para subir, pois são apenas 3 chapeletas neste lance de artificial. Saindo do artificial a escalada segue em livre por uma aderência com uma proteção no meio do lance e em seguida vem a parada dentro de um grande buraco. Depois do lance em artificial a visão entre SEG e guia é perdida.

Para agilizar a escalada é possível fazer as duas primeiras enfiadas em apenas uma enfiada, entretanto, é necessário usar costuras mais longas, preferencialmente com fitas de 1,20 metros, para reduzir o arrasto na corda.

A quarta e quinta enfiada são caminhadas pela montanha, pois são trechos muito positivos e com grande vegetação ao redor.

A parada da quinta enfiada é a mesma parada da via Tesouro Escondido (Face Oeste).


O RAPEL

Todas as paradas possuem grampo ou chapeleta com malha rápida. O rapel é feito pela via Tesouro Escondido, podendo ser realizado de duas maneiras:

COM 1 CORDA DE 60 METROS:

Rapelar por 20 metros até a primeira parada no início da calha – o rapel deve ser orientado para a direita da pedra para cair na entrada da calha. Cuidado com as pedras soltas ao puxar a corda do rapel.

O segundo rapel será de 30 metros até uma parada no meio de um buraco com gravatá e o terceiro rapel será de mais 30 metros até o chão/base da via.


COM 2 CORDAS DE 60 METROS:

Rapelar por 20 metros até a primeira parada no início da calha – o rapel deve ser orientado para a direita da pedra para cair na entrada da calha. Cuidado com as pedras soltas ao puxar a corda do rapel de fuga.

O segundo rapel será de 60 metros até o chão/base da via.

Também é possível realizar o rapel direto do cume (última parada) até a base com 2 cordas de 60 metros, entretanto, a corda fica muito pesada para puxar por causa do arrasto, pedras soltas podem rolar do cume e a corda pode, ainda, agarrar em algum lugar.

Observação: O rapel direto da P3 para a P2 deve ser evitado por causa das pedras soltas no trecho final da via, pois no momento de puxar a corda do rapel alguma pedra pode rolar para dentro da calha e ser direcionada para a parada onde os escaladores estão.

Para mais informações, observar o croqui da via “Tesouro Escondido” da Face Oeste da Pedra de Mulembá.


FIGURA 1: Vista da Pedra do Parque de Mulembá/Estação de Tratamento de Esgoto da CESAN;

FIGURA 2: Trecho de aproximação e escalada;

FIGURA 3: Primeira Enfiada da via em agarras pequenas e fenda na direita;

FIGURA 4: Conquistador, Karapeba, duplicando a P3 no último dia de Conquista;

FIGURA 5: Conquistadores no cume da Pedra de Mulembá;

FIGURA 6: Vista do lado leste - Vitória e Serra;

FIGURA 7: Local que o Livro de cume fica guardado;

FIGURA 8: Croqui da via.
Fotos     Croqui     Veja quem escalou     Registre infos    


voltar pro início da página


voltar pro início da página


Sarinha (Sarah de Jesus Cantarino)   Tel: 27/99446490 14/06/2016 01:21:55
   Finalização:1ª entrada   Em:2015


Zudi (Zudivan Peterli)   Tel: 27/92430159 25/04/2016 19:11:05
   Finalizada


Graveto (Pedro Henrique Pires Ferreira )   Tel: 27/88333922 02/12/2015 15:04:00
   Finalizada


Gillan (Gillan Muniz Schirmer)   Tel: 27/98188007 26/10/2015
   Finalizada
voltar pro início da página


Se for inscrito no site clique aqui para fazer Login


Registre mais informações sobre a via
*Nome: 
Email: 
Telefone:   
Data:
    *Relato:
 
voltar pro início da página



©2003-2020  José Márcio M Dorigueto   -  Melhor visualizado em 1024x768