Início    ACE    Biblioteca    Atas    Croquiteca    Links    Blogs    Fotos    Anúncios    Inscrição    Associados    Participantes
 Locais Detonados     Denuncie     Relate Acidente     Notícias     Fale Conosco     Área Restrita     Registrar Croqui 
"Ao examinarmos os erros de um homem, conhecemos seu caráter." Confúcio

  Via No Gargalo
Pedra do Garrafão - Ecoporanga
Catalogada por ZéMárcio
Graduação:  6° VIIb A3 E4 
Tamanho:  500m 
Nº de enfiadas:  12 
Material necessário:  Cordas de 55m
2 jogos de camalots (incluir o #5)
1 jogo de friends
1 jogo de micro-friends
1 jogo de aliens
1 jogo de ball-nuts
1 jogo de stoppers
1 jogo de micro-stoppers
2 pitons de lâmina
2 rurps
2 chumba-heads
2 cliffs de buraco
1 cliff de agarra 
Data da conquista:  06/Ago/2005 
Conquistadores:  Edemilson Padilha
Eduardo Viana  (Ralf)
Fernanda Rocha
Javier Franco
Valdesir Machado
Da escalada:  Um gargalo é uma restrição de um sistema. Em nosso processo de escalar a Pedra do Garrafão, em Ecoporanga, ES, sempre havia um gargalo pelo menos: se não era o cansaço, era o dia que se acabava; todavia, no final da conquista da parede de 500 metros, tudo estava “no gargalo”: poucos litros água, o tempo acabando e uma parede que não dava tréguas.

Tudo começou com um telefonema de um amigo. Era o Eduardo Viana (Ralf), conhecido escalador mineiro, com muitas conquistas de vias de alto nível pelo interior de Minas Gerais. Sem falar muito, ele jogou uma bomba: dizia estar na base de uma parede de mais de 400 metros, com fendas, cume virgem e muito vertical. Disse estar nos esperando e que levássemos muito equipamento.
Em alguns dias preparamos as mochilas e pegamos a estrada. Foram 1500 quilômetros de Curitiba (PR) até a vila de Santa Terezinha, 12 Km antes de Ecoporanga, norte do Espírito Santo. Encontramos Ralf e Fernanda, sua companheira, quase embaixo da parede. E era realmente vertical, chegava a dar medo só de olhar. Naquele momento percebi porque a montanha ainda possuía cume virgem: a escalada seria complexa e difícil, pois boa parte dela tinha inclinação negativa, fato denunciado pela coloração amarelada de mais da metade do imenso paredão. E também seria necessária uma quantidade grande equipamentos e muita experiência e persistência. Tão logo chegamos, iniciamos a tarefa de escolher a linha, tentando captar os detalhes da parede com o auxílio de um binóculo. No mesmo dia pedimos autorização para o dono das terras, o qual nos chamou de doidos, mas permitiu que montássemos nosso acampamento a cerca de 40 minutos de caminhada da base.


Na Parede

1º dia
No mesmo dia começamos a transportar equipamentos e água para a base. No dia seguinte, amanheci muito mal de gripe e não pude escalar. Meus parceiros, Valdesir Machado (Val), Javier Franco (Javi) e Ralf iniciaram logo a conquista. Já de cara não tínhamos peças grandes, tipo camalot #5, para colocar na fenda larga do “diedraço” inicial, mas o Val soube driblar a situação e conseguiu conquistar 150 metros de via logo no primeiro dia. Isto era uma segunda feira e o plano era chegar até o primeiro platô da parede na terça.


2º dia
Ralf e Fernanda subiram pelas cordas fixas e começam a conquistar a quarta cordada. Porém, neste ponto a fenda some e dá lugar a um artificial de cliff trabalhoso. Depois do almoço juntei-me a eles e chegamos ao primeiro platô. Estávamos ansiosos para saber se este seria bom para bivacar, pois necessitávamos de um acampamento intermediário. No final das contas a plataforma era meio torta e repleta de cactos, mas poderíamos nos ajeitar por ali.


3º dia
Na quarta-feira, subimos com mais de 40 litros água, comida e equipamentos até o primeiro platô. Calculamos 3 litros de água por dia por pessoa e pedimos para São Pedro enviar umas nuvens para tapar o sol.
Eu e Val subimos até o platô e imediatamente começamos a conquistar. Val guiou um diedro bonito de quase 50 metros e eu entrei numa cordada de artificial no começo e depois em livre. No final do dia Val conquistou um trecho por um teto muito trabalhoso. Descemos para o platô e deixamos as cordas fixas agora dali para cima. Comemos uma bela macarronada preparada pelo pessoal que ficou ajeitando o bivaque enquanto escalávamos.


4º dia
A quinta-feira amanheceu ensolarada e Ralf e Fernanda subiram pelas cordas para dar seguimento à via que já estava com mais de 250 metros. Porém, minutos depois retornaram, pois Ralf não se sentia bem. Desta forma, eu, Val e Javi partimos para cima. O Val continuou a cordada que passava pelo teto toda em artificial e eu tive de “bailar” para “limpá-la” depois. Esta seria a sétima cordada e chegava em um platô gigantesco, protegido do sol e da chuva. O Javi decidiu guiar a oitava cordada e conseguiu conquistar uma parte dela naquele dia. Na descida até o primeiro platô a corda em que Val estava se enrosca em um bloco e este cai e quase a corta, jogando-o contra a parede e dando-nos um grande susto. Para completar aquela noite das bruxas, choveu sem parar durante toda a madrugada. Pela manhã deu uma melhorada e subimos para um ataque ao cume.


5º dia
Uma sexta-feira chuvosa era o que se delineava pelo acúmulo de nuvens. Terminei a oitava e Val guiou a nona cordada, a qual o deixou em frangalhos: um A3 com final em sétimo grau em livre! Para “limpar”, outro baile. E a chuva caía forte, com muita neblina e frio, mas não nos molhávamos devido à inclinação da parede. Quanto mais subíamos, pensávamos que as dificuldades poderiam amainar, mas a montanha não dava trégua. E o próximo tramo não foi diferente, mais fissuras largas e muita energia gasta. O cume parecia estar tão próximo, mas quanto mais nos acercávamos, mais ele parecia nos escapar. Na P10, enquanto assegurava meu parceiro, comecei a fazer as contas e já dava mais de 400 metros. De repente anoitece e uma neblina espessa nos engole, mas ainda tínhamos esperanças de fazer cume naquele dia. Então o Val diz para mandar o material de grampeação pois vai bater uma parada; depois de bater um grampo diz que devemos descer e deixar as cordas fixas para tornar a subir no outro dia, pois o trecho de uns 30 metros restante era vertical e seria difícil de escalar à noite. Assim, rapelamos as 4 cordadas até o platozão, um pouco frustrados, mas contentes pelo progresso da ascensão. Poucos minutos depois estávamos comendo um macarrão e tomando um maravilhoso café preparados pela Fernanda.


6º dia
Ajeitamo-nos sem sacos de dormir, embaixo de uma lona plástica e acordamos com um amanhecer iluminado. De café da manhã 200 metros de jumareio no vazio, pois as cordadas eram tão verticais que subíamos pela corda sem tocar a pedra.
Só 30 metros de parede nos separavam do cume da Pedra do Garrafão, e tocava a mim aquela cordada. Era muito engraçado, pois eu via exatamente onde tinha de chegar, via as fissuras e o “pepino” que tinha pela frente. O Val me sugeriu um diedro que era óbvio, mas era meio podre. Ou uma travessia tétrica, sem proteções, à esquerda, para chegar a uma bela fenda. Decidi negociar com lacas e com cuidado fui fazendo a diagonal, escolhendo as agarras que pareciam mais sólidas. Em poucos passos e muita concentração, cheguei à base de uma laca muito interessante. Havia uma fenda de mão muito boa de escalar e proteger, mas não era nada fácil. E as dificuldades persistiram até o último momento, quando lacei um galho da árvore que serviria de parada. Um a um foram chegando pela corda e comemoramos com emoção a conquista da Pedra do Garrafão. O nome da via ficou “No Gargalo”.

Tudo já estava no gargalo: a água acabara, nossa energia e o nosso tempo também, pois planejáramos chegar em Curitiba no domingo à noite. E assim fizemos um retorno non stop, do cume (sábado, meio do dia) até em casa (domingo à noite), deixando para trás uma linha perfeita numa montanha magnífica.





No Gargalo (500m, 6º VIIb, A3, E4)

Tempo estimado para repetição: 2 a 3 dias

Cordada 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Extensão 55 35 55 35 50 25 25 40 50 45 55 30
Livre 6º 6º 6º 6º 6º 4º 4º - 7a 6º 7b 7b
Artificial - - - A1 - A2 A2+ A2 A3 - - -


Equipamentos Utilizados:
2 jogos de camalots (incluir o #5)
1 jogo de friends
1 jogo de micro-friends
1 jogo de aliens
1 jogo de ball-nuts
1 jogo de stoppers
1 jogo de micro-stoppers
2 pitons de lâmina
2 rurps
2 chumba-heads
2 cliffs de buraco
1 cliff de agarra
+ Cordas, mosquetões, equipamentos de grampeação, equipamentos para escalada artificial, equipamento individual, etc.

Como chegar: De Belo Horizonte, segue até Governador Valadares e depois até Mantena. De Mantena até Ecoporanga. A Pedra do Garrafão está localizada ao lado da estrada, bem à frente da Vila de Santa Terezinha, 12 Km antes do centro de Ecoporanga. São 500 Km de Belo Horizonte (MG) à Pedra do Garrafão.

Escaladores: Edemilson Padilha, Valdesir Machado, Javier Franco, Eduardo Viana e Fernanda Rocha

Patrocínio: Conquista, Das Pedras

Apoio: Snake, Nômad
Fotos     Croqui     Registre infos     Veja mais Infos


voltar pro início da página


voltar pro início da página


Se for inscrito no site clique aqui para fazer Login


Registre mais informações sobre a via
*Nome: 
Email: 
Telefone:   
Data:
    *Relato:
 
voltar pro início da página


Infos de quem escalou a via
Olá, o portal de eventos retiro.com.br deseja cadastrar seu site: www.ace-es.org.br para receber as solicitações de nossos clientes que realizam eventos, acampamentos, retiros e encontros.

São centenas de igrejas, empresas e grupos interessados.

Acesse: http://retiro.com.br/adicionar-empresa/

Qualquer dúvida: contato@retiro.com.br


Data de referência: Retiro.
Retiro   Telelefone: 19/981158003 16/07/2016 03:19:12
voltar pro início da página



©2003-2020  José Márcio M Dorigueto   -  Melhor visualizado em 1024x768